domingo, 6 de novembro de 2011

| REVIEW | Person of Interest - 1x07

:: 1.07 :: “Witness”

CARACA. Só falando isso porque eu não sou de falar palavrão... Caso contrário, esse episódio merecia um. rs Sinistro. Os caras que tão escrevendo isso, tão inspirados...
Tudo começou com um crime numa mercearia, e um homem foi morto. Esse cara trabalhava pra um outro que vem matando vários russos da área, inclusive o parente desses que tão atrás deles agora querendo vingança. Parece que o chefe do falecido é o tal Elias, que a detetive Carver tem caçado e que tentou atirar nela no episódio passado. Elias vem eliminando os inimigos pra tomar o local que antes era dominado pelo seu pai. O problema é que no meio disso tudo tem uma testemunha, que tava no mercado na hora do assassinato e ainda por cima, parece ter ouvido alguma coisa que o falecido disse antes de falecer (duh). A polícia tem de encontrá-lo antes da máfia. Só que ele já foi encontrado, por aquela máquina de Finch que detecta CPFs.
Fusco ligou para Reese, que tinha acabado de encontrar o cara do CPF e ficou sabendo que ele era a testemunha caçada também. Deve ser por isso que seu número bateu no computador. O lance é que ele pega o cara pra protegê-lo, há tiros, o homem acaba ferido e eles tem de se esconder no pior lugar possível: um conjunto habitacional dominado por criminosos e ficam praticamente encurralados lá. Pior é que a comunicação com Finch fica off. Vixi! Enquanto isso, a detetive vai junto com um cara do Crimes Organizados atrás dos russos suspeitos.

Reese cuida do professor, que fala que o cara do mercado falou pra passar recado pra um tal de Elias que Vinnie resolveria tudo, mas ele não tem ideia do que seja. Um dos alunos dele acaba ajudando eles a se esconder dos russos que entraram no prédio e agora, precisam logo de uma saída. Enquanto isso, Finch trabalha com Fusco tentando entender o que um policial fazia no prédio do professor depois que os russos saíram. O lance é que, ao que parece, o tal policial é o próprio Elias!!! Bem debaixo do nariz da Detetive!!! Putz!! Quer dizer que, além dos russos vingativos, o tal Elias também tá atrás da testemunha. Eita, tá puxado...
Reese consegue falar com Finch para marcar encontro com Fusco para entregar o professor, e a polícia pra pegar os caras que tão ali dentro. No caminho da saída do prédio, Reese ainda leva junto um dos russos que tava atrás dele. Aí os detetives prendem os russos restantes depois e começa a reviravolta. Alguém vazou a informação sobre o encontro que Reese marcou com Fusco e Finch achou que fosse o próprio que fez isso. Mas, não foi. Aquele policial que parece ser o tal Elias chegou no local e calou Fusco. Enquanto isso, Carver ia descobrindo com um dos russos o porque deles se importarem tanto com uma testemunha. E no barco em direção ao porto, o russo preso por Reese questionava o porque dele salvar um assassino que tava ferrando a cidade... Oh yeah, bebê. Pra que procurar o tal Elias se ele tava bem ali!!! E é aqui que entraria o tal palavrão. Se eu falasse palavrão, é claro. rs

Quer dizer que, esse tempo todo Reese tava protegendo aquele que eu entendi ser o tal Elias! O cara que  quer ser o novo chefão do crime na cidade, e que se passou por professor pra saber dos inimigos através dos filhos deles. Tenso!! Sorte do Reese que salvou ele, e teve sua vida poupada. O cara fugiu, e se encontrou com aquele policial no pier e ainda matou o patriarca dos russos que tavam atrás dele. Caramba, por essa eu não esperava meeesmo! Nem de longe!! rs Finch até tentou acalmar Reese, mas ele ficou boladão com essa história toda, de não saber se o CPF da máquina é de inocente ou, como foi nesse caso, de um bandido. É, não dá pra prever nada mesmo!

Um comentário:

Metido a Besta disse...

Essa série é muito boa! Tô adorando!
E esse é o melhor episódio até agora.
Elias é o cara!